Mostrando postagens com marcador finch. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador finch. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 9 de julho de 2015

Finch - Galleons Of Passion [1977] - Netherlands / Holanda




Este é o álbum mais completo e o mais sinfônico da banda holandesa Finch, tendo uma sonoridade menos frenética e intricada como pode-se conferir nos dois discos anteriores. Infelizmente o disco foi lançado na mesma época em que a onda Punk varreu a música de qualidade para debaixo do tapete. O disco foi afundado num oceano de esquecimento musical, prejudicando a compreensão da sua maravilha em essência. Os Progfans, no entanto devem conferir este álbum sem relutar, porque mostra o Finch no seu melhor. Os sons de teclado escolhidos pelo recém-chegado Ad Wammes tem um som mais rico e mais completo, tão adorado pelos amantes de Prog-Rock. A guitarra de Joop van Nimwegen é simplesmente soberba. Para aqueles que são seduzidos pelo famoso stereo-sound do baixo Rickenbacker , não vão ficar desapontados com os toques sólidos de Peter Vink. O balanço do grupo foi alterado e isso se deve ao baixista, tão acostumado a ser inspirado por Chris Squire e que realmente está mais solto neste álbum

Como sempre acontece com o Finch, o álbum é totalmente instrumental. Desta vez, as influências cross-over de Jazz-Rock e Canterbury  Sound são menos evidentes. Este é um álbum que soa muito mais harmonicamente acessível e que pode facilmente competir com os melhores discos de Camel ou Focus. Os temas são todos mais francos e diretos do que em seus dois álbuns anteriores. Pode-se dizer que o álbum é uma obra-prima negligenciada.

É o meu disco favoritos do Finch e vai agradar em cheio os amantes de Prog-Rock Sinfônico com solos de guitarra inesquecíveis. Recomendadíssimo !!!



Tracks:
1. Unspoken Is The Word (7:52)
2. Remembering The Future (4:22)
3. As One (4:44)
4. With Love As The Motive (9:15)
5. Reconciling (8:29)
Time: 34:42

Musicians:
- Hans Bosboom / drums, percussion
- Joop van Nimwegen / guitars, Cabasa
- Peter Vink / bass guitars, Cowbell
- Ad Wammes / keyboards, flute

___________________________

Format: ape (image) = 225 mb = Mega / pass = makina
Format: mp3 (320 kbps) = 83 mb = Yandex / pass = progsounds

Finch - Galleons Of Passion [1977] - Netherlands / Holanda


quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Finch - Beyond Expression [1976] - Netherlands / Holanda


"Beyond the Expression" é o segundo trabalho do grupo holandês Finch. Possui três faixas longas onde a banda retorna a demonstrar todo seu potencial técnico.  Pouco mais de 43 minutos muito bem aproveitados em razão de sua competência criativa e natureza experimental, mesclando o progressivo e ritmos de Jazz numa Fusion muito bem temperada. A textura de suas obras caracteriza-se pela fluidez através de melódicas introduções, contrapontos cadenciados aos acordes de guitarra e teclados que gradativamente evoluem à passagens dinâmicas variadas ora riffs ao melhor estilo do Rock clássico ou diálogos de teclados ajustados nos solos de puro virtuosismo de Joop, para então retomar interlúdios singelos de belas melodias, como num processo de exercícios vigorosos, acontecem para recuperar o folego. Os solos se alternam com a mesma categoria, Determeijer é um mago dos teclados. Então democraticamente, ambos exibem-se a seu tempo, enriquecendo os temas com muita propriedade. Harmônico ao longo das interpretações destas belas composições de Joop, este processo de ritmos intensos combinados a lindas melodias, proporciona uma atmosfera bem balanceada que sempre funciona.

O disco começa com "A Passion Condensed" que tem o sintetizador inicial um pouco áspero, embora a guitarra é satisfatória e a seção rítmica está em overdrive para grande parte da peça. O lado mais suave do FINCH surge ao meio, talvez para oferecer ao ouvinte uma trégua do rápido Jazz-Rock que preencheu os primeiros oito minutos. O trabalho de guitarra mordaz está muito forte, voando como um beija-flor na parte superior com uma progressão de acordes idêntica a "Breathe", de PINK FLOYD.

"Scars on the Ego" A segundo e mais curta peça oferece ao tecladista uma oportunidade de brilhar através de várias texturas sonoras, e, felizmente, o guitarrista mostra suas capacidades mais plácidas. Embora o solo de guitarra elétrica ainda está cheio de atividade, que serve bem como uma redução gradual.

"Beyond the Bizarre" gentil e melódica, talvez a mais sólido das três composições, porque mesmo quando se torna mais pesada, não é perfurada com guitarras de "fogo rápido". Na verdade, o protagonista infunde a peça com curvas adequadas e frases que acentuam as mudanças rítmicas. A presença dos teclados são uma reminiscência de "Cinema Show" do GENESIS.

O grupo deve ter em seu conterrâneo Jan Akkerman, um ídolo e um exemplo para ser seguido, é possível também associar sua estética melódica ás obras do Camel, tudo muito salutar e bastante agradável de se ouvir. Finch, ao longo desse álbum, deixa patente um profundo conhecimento e pleno domínio de diversas técnicas. Pode trazer seu trabalho à semelhança de grandes ícones do gênero, entretanto exibem personalidade e consistência suficientes à sua própria identidade como referência de qualidade, sobretudo a nobre arte da qual são ilustres  representantes, pérolas do universo extremamente laboral e criativo do rock progressivo. Boa audição!


Tracks:
1. A Passion Condensed (20:05)
2. Scars On The Ego (8:51)
3. Beyond The Bizarre (14:24)
Time: 43:20

Musicians:
- Cleem Determeijer / keyboards
- Beer Klaasse / drums
- Joop Van Nimwegen / guitars
- Peter Vink / bass

Format: mp3 (320 kbps) = 101 mb = Yandex

Finch - Beyond Expression [1976] - Netherlands / Holanda


"Beyond the Expression" é o segundo trabalho do grupo holandês Finch. Possui três faixas longas onde a banda retorna a demonstrar todo seu potencial técnico.  Pouco mais de 43 minutos muito bem aproveitados em razão de sua competência criativa e natureza experimental, mesclando o progressivo e ritmos de Jazz numa Fusion muito bem temperada. A textura de suas obras caracteriza-se pela fluidez através de melódicas introduções, contrapontos cadenciados aos acordes de guitarra e teclados que gradativamente evoluem à passagens dinâmicas variadas ora riffs ao melhor estilo do Rock clássico ou diálogos de teclados ajustados nos solos de puro virtuosismo de Joop, para então retomar interlúdios singelos de belas melodias, como num processo de exercícios vigorosos, acontecem para recuperar o folego. Os solos se alternam com a mesma categoria, Determeijer é um mago dos teclados. Então democraticamente, ambos exibem-se a seu tempo, enriquecendo os temas com muita propriedade. Harmônico ao longo das interpretações destas belas composições de Joop, este processo de ritmos intensos combinados a lindas melodias, proporciona uma atmosfera bem balanceada que sempre funciona.

O disco começa com "A Passion Condensed" que tem o sintetizador inicial um pouco áspero, embora a guitarra é satisfatória e a seção rítmica está em overdrive para grande parte da peça. O lado mais suave do FINCH surge ao meio, talvez para oferecer ao ouvinte uma trégua do rápido Jazz-Rock que preencheu os primeiros oito minutos. O trabalho de guitarra mordaz está muito forte, voando como um beija-flor na parte superior com uma progressão de acordes idêntica a "Breathe", de PINK FLOYD.

"Scars on the Ego" A segundo e mais curta peça oferece ao tecladista uma oportunidade de brilhar através de várias texturas sonoras, e, felizmente, o guitarrista mostra suas capacidades mais plácidas. Embora o solo de guitarra elétrica ainda está cheio de atividade, que serve bem como uma redução gradual.

"Beyond the Bizarre" gentil e melódica, talvez a mais sólido das três composições, porque mesmo quando se torna mais pesada, não é perfurada com guitarras de "fogo rápido". Na verdade, o protagonista infunde a peça com curvas adequadas e frases que acentuam as mudanças rítmicas. A presença dos teclados são uma reminiscência de "Cinema Show" do GENESIS.

O grupo deve ter em seu conterrâneo Jan Akkerman, um ídolo e um exemplo para ser seguido, é possível também associar sua estética melódica ás obras do Camel, tudo muito salutar e bastante agradável de se ouvir. Finch, ao longo desse álbum, deixa patente um profundo conhecimento e pleno domínio de diversas técnicas. Pode trazer seu trabalho à semelhança de grandes ícones do gênero, entretanto exibem personalidade e consistência suficientes à sua própria identidade como referência de qualidade, sobretudo a nobre arte da qual são ilustres  representantes, pérolas do universo extremamente laboral e criativo do rock progressivo. Boa audição!


Tracks:
1. A Passion Condensed (20:05)
2. Scars On The Ego (8:51)
3. Beyond The Bizarre (14:24)
Time: 43:20

Musicians:
- Cleem Determeijer / keyboards
- Beer Klaasse / drums
- Joop Van Nimwegen / guitars
- Peter Vink / bass

Format: mp3 (320 kbps) = 101 mb = Yandex

Finch - Glory Of The Inner Force [1975] - Netherlands / Holanda



FINCH é um grande grupo instrumental holandês cuja história começou, como tantas vezes acontece, com a morte de outro. Era o grupo - Q65, onde  Peter Vink era o baixista, e o baterista era Klaassen Beer. A equipe viveu na cidade de Haia Het Paard. Quando chegou o momento de colapso do Q65, ambos os músicos decidiram continuar juntos, e criar o seu próprio grupo, inicialmente chamado: Kjoe. Além deles, também ingressou o cantor Johnny Fredericks e o guitarrista Frank Nyuyens. Este último, entretanto, não ficou muito tempo, na época quebrou braço e foi substituído por Ronnie Mayer.

A banda percorreu vários clubes noturnos tentando obter recursos e reconhecimento, Ronnie, bem como Fredericks, abandonaram o barco atrás de bandas já estabelecidas. Quis assim o destino, porque então após ouvirem diversos músicos, descobriram um jovem talento de 19 anos chamado Joop van Breukelen Nimvegen, (hoje reconhecido entre os melhores guitarristas holandeses).  Joop gostava de Jazz , Blues e Art-Rock (seus heróis eram John McLaughlin, Eric Clapton, Peter Green, Steve Howe e Alvin Lee). Muito técnico e rápido, Van Nimvegen imediatamente se juntou à equipe. Os músicos continuaram ensaiando como um trio - Vink, Klaassen e van Nimvegen. Com o ingresso de Clem Determeijer eles decidiram permanecer sem um vocalista. O que permitiu ao grupo concentrar-se em aperfeiçoar mais o conteúdo instrumental de suas criações. Surgia então o FINCH.

"Glory of the Inner Force" foi seu primeiro álbum que é considerado uma obra-prima do Rock Progressivo, soando em parte, como uma versão mais Fusion com influências do FOCUS.

o disco consiste de quatro faixas longas e complexas. A musicalidade e o desempenho da banda é realmente muito técnico, impressionante e energético. Há diversas passagens de Jan Akkerman, nas linhas de melodia da guitarra de Joop Van Nimwegen e os teclados de Clem Determeijer são virtuosos; ele é rápido e muito habilidoso através de sons frenéticos de Hammond , moog e Mellotron, que propiciam a atmosfera sinfônica do FOCUS e também do Camel.

A faixa de abertura "Register Magister" é considerada um épico instrumental na Holanda e a preferida pela crítica no conteúdo deste álbum. Entretanto sua sonoridade muito complexa, com muitos temas inspirados e de extremo bom gosto ratificam o conjunto por inteiro como uma excelente obra instrumental. 

De uma forma geral as 4 faixas originais do disco são em tempo integral intensas peças de Prog pesado, também tem algumas partes de escuta fácil, mas na maioria das vezes a música é densa,  forte, complexa e técnica.

A edição em CD tem uma faixa bônus intitulada "Colosus", dividida em 2 partes que ocuparam os dois lados de um single. É uma peça cativante, de fato, mas não simplista: a sofisticação do protótipo do FINCH está claramente presente. 

Conclusão. Um álbum especial de Heavy Prog / Symphonic Rock recheado de surpresas. O lado técnico da banda é evoluído ao ponto deles tornaram-se solitários em sua espécie, o lado emocional ainda é um pouco incerto. Todos os admiradores de estilos Heavy Prog, Jazz, Fusion e Symphonic Rock devem possuir esse disco. É um excelente complemento para suas coleções!





Tracks:
1. Register magister (9:22)
2. Parodoxical moods (10:43)
3. Pisces (9:29)
4. A bridge to Alice (13:13)
Bonus Tracks:
5. Colossus Part I (3:28)
6. Colossus Part II (3:36)
Time: 49:51

Musicians:
- Jan Van Nimwegen / guitars
- Cleem Determejer / keyboards
- Beer Klaasse / drums
- Peter Vink / bass

Format: mp3 (320 kbps) = 116 mb = Yandex

Finch - Glory Of The Inner Force [1975] - Netherlands / Holanda

Pesquisar este blog

WORLD