Mostrando postagens com marcador anyone's daughter. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador anyone's daughter. Mostrar todas as postagens

sábado, 11 de julho de 2015

Anyone's Daughter - In Blau [1982] - Alemanha / Germany



Estimulado pelo sucesso comercial de seu disco ao vivo, "Piktors Verwandlungen", e pelo seu primeiro uso de vocais nativos, o Anyone's Daughter veio a adotar o alemão para seus dois próximos álbuns. Eles também resolveram compor algumas canções de fácil aceitação (algumas bem comerciais). Isto poderia ter sido um grande erro em outras mãos, mas o AD tem um som definível independentemente da abordagem, e sua atenção aos detalhes nos arranjos, melodias e vocais que lhes permite definir a sua marca registrada.

Para ilustrar a sua proeficiência e versatilidade, basta ouvir as primeiras duas faixas,"Sonnenzeichen - Feuerzeichen", com seu pesado baixo e guitarras secas, seguida da acústica celtica "Fur ein kleines Mädchen". Além de pressagiando o Neu Deutsch Welle em que cada vez mais bandas teutônicas cantavam em sua língua materna, o AD deve ter ouvido ritmos globais, bem como evidenciado nas batidas de "Nichts für mich", que apresenta uma mudança de ritmo deliciosamente jazzy e compensações acentuadamente "educadas" entre Karpa e Ullmer. Em seguida, uma seção bluesy com grande quantidade de órgãos prevalece, eventualmente coberto pelos melhores licks de Karpa. Finalmente, a canção retorna às suas origens suaves e uma reprise da melodia vocal antes desaparecendo. Embora uma modesta trilha de 6:30, é um exemplo de como a banda pode explorar um espaço relativamente curto.

"Nach diesem Tag" aponta para a direção Prog-Pop digna em que a banda estava indo, e as características vocais de Bareth acariciando sobre tambores suaves e o piano elétrico. Mesmo aqui eles conseguem incluir um solo de guitarra bem desenvolvido e algumas harmonias suaves. "La la" é uma faixa sem palavras empolgante com órgão e sintetizadores ainda melódicos mais agressivos em meio as pronúncias de Bareth sobre o título. Foi particularmente adequado para seus shows ao vivo, mas funciona bem como um interlúdio de alta energia entre os processos geralmente de ritmo mais lento. "Sonne" é mais um número acústico cristalino com sentimento.

O álbum termina com uma trilha que deve agradar bastante aos amantes do Prog - a tripartite "Tanz und Todd", e os três segmentos não poderiam ser mais diferentes, do Genesis Prog Pop tecnicamente brilhante para o piano solo a la Keith Emerson a seção narrada e o finale digno de Mike Oldfield

"In Blau" pode não ser um CD perfeito, mas o seu equilíbrio de técnica e emoção é rara no Prog Rock, e é o que o médico receitou para os "Blues".


Tracks:
1. Sonnenzeichen - Feuerzeichen (5:19) 
2. Fur ein kleines Mädchen (5:23) 
3. Nichts fur mich (6:33) 
4. Nach diesem Tag (4:08) 
5. La la (3:17) 
6. Sonne (4:45) 
7. Tanz und Tod (15:11)
Time: 44:10

Musicians:
- Harald Bareth / bass, lead vocals, voice 
- Uwe Karpa / acoustic & electric guitars 
- Peter Schmidt / drums, percussion 
- Matthias Ulmer / keyboards, vocals

Format: flac (tracks) = 283 mb = Mega
Format: mp3 (320 knps) = 108 mb = Mega

Anyone's Daughter - In Blau [1982] - Alemanha / Germany

terça-feira, 2 de junho de 2015

Anyone's Daughter - Piktors Verwandlungen [remastered + bonus tracks] [1981] - Alemanha / Germany



Desde meados dos anos 70 o Anyone's Daughter vem desenvolvendo uma peça baseada na novela de Hermann Hesse, ''Piktors Metamorphosis'', executando-a ao vivo  e sempre seguido por um grande elogio do público. Então no início dos anos 80 a banda decidiu gravar a peça em sua forma final e registrá-la em disco, mas a gestão de Spiegelei recusou-se a fazê-lo, acreditando que o financiamento de uma faixa épica tão grande na década de 80 seria um total desperdício de tempo e economicamente inviável. Em virtude dessas dificuldades, a banda decidiu auto-financiar este trabalho e, melhor ainda, eles decidiram executá-lo ao vivo, para isso, o melhor lugar para tal gravação foi considerado o Konzerhaus na cidade de Heidenheim, de acordo com a banda um local de acústica simplesmente fantástico. A gravação finalmente ocorreu em 18 de Janeiro de 1981 e o álbum foi lançado no mesmo ano.

Como referido acima, esta foi uma única faixa-conceito, dividida em 13 peças curtas, onde a história é narrada e seguida por workouts. O instrumental faz muita referência ao Camel, assemelhando-se a obras como "Moonmadness" e "Snowgoose". As narrações são muito agradáveis, lembrando em muitas partes o também alemão NEUSCHWANSTEIN e sua obra "Alice im Wunderland", enquanto as texturas instrumentais estão mais próximos do que nunca de compatriotas como Rousseau.

As faixas de música vão de boas à ótimas com o ótimo trabalho de guitarra de Uwe Karpa e com as belas e sonhadores partes de teclado de Matthias Ulmer. Sempre com um texto melódico, o álbum mostra uma ligeira mudança de direcção, de suas tendências sinfônicas mais tradicionais, com destaque para os sintetizadores Spacey, as linhas de piano românticas e a guitarra à la ANDY LATIMER bem impressionante, apesar de uma certa vibração teutônica  evidente nas partes mais dramáticas do álbum. Estão também presentes algumas grandes vibrações de Fusion e toques jazzísticos, tanto no teclado e guitarra, mas a banda sempre esconde por trás seu muito grandioso Symphonic Rock.

Uma forma primitiva do trabalho está apresentada aqui como faixa bônus de 25 minutos e capturado no porão de Harald Bareth em 1977, com um som muito próximo ao estilo de "Adonis".



Tracks:
1. Piktor (2:12) 
2. Erstes Vorspiel (0:41) 
3. Erster Teil der Erzählung (2:22) 
4. Purpur (2:56) 
5. Zweites Vorspiel (0:55) 
6. Zweiter Teil der Erzählung (2:19) 
7. Der Baum (7:30) 
8. Dritter Teil der Erzählung (2:38) 
9. Sehnsucht (5:36) 
10. Vierter Teil der Erzählung (4:25) 
11. Piktoria, Viktoria (0:34) 
12. Fünfter Teil der Erzählung (0:40) 
13. Der Dopelstern (4:25)
Bonus Track:
14. Piktors Verwandlungen (Demo 1977/78) (26:43)
Time: 63:56

Musicians:
- Harald Bareth / bass, lead vocals, voice 
- Uwe Karpa / guitar 
- Kono Konopik / drums 
- Matthias Ulmer / keyboards, vocals


Format: ape (image) = 479 mb = Mega / pass = makina
Format: mp3 (320 kbps) = 180 mb = Mega / pass = progfriends

Anyone's Daughter - Piktors Verwandlungen [remastered + bonus tracks] [1981] - Alemanha / Germany

segunda-feira, 1 de junho de 2015

Anyone's Daughter - Anyone's Daughter [REMASTERED + BONUS TRACKS] [1980] - Alemanha / Germany



O disco "Anyone's Daughter" foi originalmente lançado em 1980 pelas etiquetas Spiegelei/Intercord. Esta nova edição foi lançada em 2012 pelas etiquetas alemãs Tempus Fugit/SPV em duas versões diferentes: CD e Limited Edition Picture Disc.

A banda mostrou em seu primeiro álbum, "Adonis" (1979), que o Progressive Rock não estava morto lá pelo final dos anos 70 e que o gênero ainda tinha força para mostrar música nova e boa. Esse seu segundo disco mostra como a banda foi capaz de manter o seu próprio som Prog mas ao mesmo tempo evoluir e incorporar a nova música da época. O som deste álbum é um pouco mais polido, há mais canções com vocais, a banda começou uma transição que previa a chegada de Neo Prog apenas um par de anos mais tarde, com bandas como MARILLION, PALLAS e TWELFTH NIGHT.

"Anyone's Daughter" é embalado com muita melodia (como na faixa de abertura "Swedish Nights", "Thursday", "Superman", "Another Day Like Superman" (a melhor faixa do álbum) e a música de encerramento "Between The Rooms". Há baladas muito sinfônicas como "Sundance Of The Haute Provence" (que, eu diria, retrata muito bem a bela capa do álbum) e "Enlightment".

"Moria" é uma exceção dentro do álbum, completamente diferente do resto, não só por causa do tema de "O Senhor dos Anéis" nas letras, mas por causa de seu tipo moderno de som apontando para o que viria a seguir em seus álbuns futuros, com uma temática até levemente "dançante".

Como conteúdo de bônus nesta re-edição do CD tem três faixas ao vivo que foram gravadas em 1980 durante a turnê do álbum. A primeira, "Superman" foi gravado em Frankenbach, Alemanha e as outras dois ("Between The Rooms" e "Sundance Of The Haute Provence" foram registradas em Baden-Baden, também na Alemanha. Todas as três versões ao vivo tem uma gravação de alta qualidade e funcionam muito bem como extra para esta edição remasterizada. A cereja no topo do bolo é o encarte do CD que, além das letras tem um grande texto (em alemão e Inglês) por Stefan Oswald onde ele conta como as gravações do álbum foram feitas e inclui muitas citações dos membros da banda.

Esta nova edição da "Anyone's Daughter" é perfeita para você fã de Prog que não têm este álbum ainda em sua coleção ou para os fãs da banda que não têm a versão em CD do álbum!


Tracks:
1. Swedish Nights (4:54)
2. Thursday (3:59)
3. Sundance Of The Haute Provence (3:39)
4. Moria (3:52)
5. Enlightment (5:01)
6. Superman (3:56)
7. Another Day Like Superman (8:03)
8. Azimuth (1:27)
9. Between The Rooms (4:22)
Bonus Tracks:
10. Superman (Live in Frankenbah 1980) (4:05)
11. Between The Rooms (Live in Baden-Baden 1980) (4:42)
12. Sundance Of The Haute Provence (Live in Baden-Baden 1980) (3:58)
Time: 51:58

Musicians:
- Harald Bareth / bass, lead vocals
- Uwe Karpa / acoustic & electric guitars
- Kono Konopik / drums
- Matthias Ulmer / keyboards, vocals

Format: Wav pack (image + cue) = 404 mb = Yandex
Format: mp3 (320 kbps) = 185 mb = Mega
Format: mp3 (128 kbps) = 122 mb = Yandex

Anyone's Daughter - Anyone's Daughter [REMASTERED + BONUS TRACKS] [1980] - Alemanha / Germany

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Anyone's Daughter - Adonis [REMASTERED WITH BONUS TRACKS] [1979/2012] - Germany / Alemanha




Chegando bem no final dos anos 70, isto é uma meia década após o pico do Prog-Rock tradicional, este álbum é uma alegria para os entusiastas do Rock Sinfônico, em particular aqueles que gostam de um sabor Teutônico. Influenciados por seus conterrâneos e colegas alemães GROBSCHNITT e ELOY, eles também possuem alguma influência inglesa de bandas como CAMEL. Este álbum destaca-se por uma suíte de 24 minutos que é um das melhores já realizadas em terreno Prog e constituída por quatro partes:

"Parte I: Come Away" é o mais puramente Symphonic Prog e também um dos segmentos mais maduros, mas no entanto poderoso, com vocais elegantes de Harald Bareth no estilo John Wetton era KC, teclados etéreos, e guitarras versáteis que vão desde a sonoridade acústica até solos refinados.

"Parte II: The Disguise", apresenta um lado de Fusion, que reaparecerá em vários momentos em álbuns futuros. Começa lento no Moog antes de ir aquecendo para uma seção vocal empolgante, mas breve, tudo e se restabelece.

"Parte III: Adonis", Em termos de desenvolvimento progressivo e potência, essa parte é a mais impressionante. Uma melodia linda, pela primeira vez em voz alta e, em seguida, alimentada por uma guitarra solo estilo Latimer, é seguido por uma duelo de teclado/guitarra brilhante, ardente e demorado que é uma alegria absoluta. A transição para o tema original é tratada com maestria, e novamente há o silêncio.

"Parte IV: The Epitaph": Esta é a seção mais orientado ao vocal com uma sensação muito de epílogo, não muito diferente da parte 3, mas sem a insanidade. Encerra a peça de modo perfeito.

As músicas restantes são inferiores a suíte, mas todas têm grandes momentos. 

''Blue House" é uma dramática peça instrumental. A primeira metade da faixa é composta por um teclado meio depressivo e piano, tornando-se mais romântica depois do meio para o fim com a adição de um violão elétrico estilo-Hackett. Há um pouco de atmosfera "espacial" também.

"Sally é uma agradável pausa para a atmosfera depressiva do album. É uma balada balançada que vem como um cruzamento entre THE BEATLES e algum álbum moderno do SUPERTRAMP. É um rock básico um pouco americanizado.

A última faixa, "Anyone's Daughter", tem novamente um teclado poderoso, porém meio depressivo uma guitarra solo monumental na abertura que rapidamente se transforma a um estilo de fusão mais acessível. Os vocais dão a faixa uma agradável atmosfera. 

Enfim o disco tem no geral uma grande qualidade de composição e execução, ensaiando para um estilo que não tardaria a aparecer na Inglaterra: o NEO-PROG. Esta verão conta cota com 3 faixas bônus gravadas ao vivo.



Tracks:
1. Adonis (24:09)
Part I: Come Away
Part II: The Disguise
Part III: Adonis
Part IV: The Epitaph
2. Blue House (7:20)
3. Sally (4:20)
4. Anyone?s Daughter (9:10)
Bonus Tracks:
5. The Taker (9:10) (Previously Unreleased Title-Live In Schomdorf '77)
6. The Warship (10:06) (Previously Unreleased Title-Live In Schomdorf '77)
7. Adonis Part 1: Come Away (Video: Studio Zuckerfabrik '78)
Total Time: 64:35

Musicians:
- Harald Bareth / bass, lead vocals 
- Uwe Karpa / acoustic & electric guitars 
- Kono Konopik / drums 
- Matthias Ulmer / keyboards, vocals

Format: flac (tracks + cue) = 471 mb = part 1 / part 2 / part 3 / pass = progsounds
Format: mp3 (320 kbps) = 177 mb = Mega / pass = progfriends

Anyone's Daughter - Adonis [REMASTERED WITH BONUS TRACKS] [1979/2012] - Germany / Alemanha

Pesquisar este blog

WORLD